quarta-feira, 10 de setembro de 2014

  Há muito tempo mantenho em meu quarto um cinzeiro, ainda sujo e fedorento (como é característico em todo cinzeiro).
  Acontece que, quando meus amigos e eu, nos reunía-mos em minha casa, virando madrugadas, fazendo planos para o futuro, assistindo vídeos de nossas bandas favoritas, relcamando da vida "difícil" de um adolescente, do tédio, dos amores eternos (de uma semana), dos pais que não nos entendiam (NUNCA. E agora entendemos que éramos nós quem não os entendiam), ou mesmo só pra darmos risadas, jogar conversa fora, vez ou outra, fumávamos alguns cigarros. E, a cada cigarro, parece-me que sentíamo-nos mais adultos. hahaha, que bobagem.
  Já faz algum tempo que não sou mais adolescente, e faz algum tempo, também, que já não fumo.
  Toda vez em que vou arrumar meu quarto, me vejo tentado a dispensar o fétido objeto, mas acabo sempre mantendo-o, no mesmo lugar.
  Mantenho o cinzeiro pelo mesmo motivo que mantenho em mim uma falsa de esperança de que eles, meus amigos, e eu, voltaremos a nos reunir e o cinzeiro virá a ser útil novamente.
Marcelo Rutshell.
(escrito em 05/09/2014)

O Segundo Domingo de Agosto

  O nome completo dele eu sei, está em meu RG. Não sei sua idade, nem em que dia completa anos. Procurei, do meu jeito, “descobrir” algumas coisas. Nada. Não sei de que músicas ele gosta, nem se gosta de música. Não sei se leu algum livro. À quem puxei este gosto? Será que seu signo combina com o meu? Que textura terá a palma da sua mão? Não lembro de termos dado as mãos alguma vez. Qual será seu humor? Sarcástico, irreverente, hilário? Ou vai ver é mal humorado mesmo. Não lembro de alguma piada dele. Não sei que tom tem sua risada. Será que ele repreende com um olhar? Meus amigos sempre tinham seus pais como heróis, “o meu pai faz isso, faz aquilo”, eu acabei por gostar mais dos anti-heróis; como porto-seguro, “tu vai ver, vou contar pro meu pai”, eu me protegia em meu quarto, em casos mais críticos, em mim mesmo.
  A adolescência me trouxe uma fase de rebeldia e revolta, não cansava de dizer, categoricamente, à quem quer que me perguntasse sobre ele, “nunca me fez falta”. Hoje sei que apenas mentia pra mim mesmo. Claro que a falta teria sido muito maior, não fosse minha mãe, que supria tudo o que e como podia. Tive uma infância feliz, muito feliz mesmo, graças a ela e seus sacrifícios. Muito devo também a minha vó materna (inclusive alguns pequenos traumas), minha irmã e meu tio. Não fosse ele não teria para quem entregar os trabalhinhos da escola no Dia dos Pais.
  Agora, não sem lágrimas nos olhos, consigo admitir que sempre quis que alguém me visse jogar bola, driblar o time inteiro e deixar o goleiro no chão, ter alguém pra apontar enquanto corria comemorando o gol que acabara de fazer.
  Alguém pra eu mostrar a música nova que aprendi ao violão e a música que compus. Pra me aplaudir no primeiro show da minha banda, até pra mentir e dizer que a minha era a melhor banda do festival, do mundo. Pra ver os amigos que fiz, pra me ensinar a andar de bicicleta, a nadar, a dirigir, a fazer a barba.
  Será que ele gosta de acordar mais cedo só pra ver o sol nascer? Será que ele lembra de alguém especial quando vê a lua? Será que ele, alguma vez, já ficou horas vendo o ir e vir das ondas tentando entender o sentido da vida? Queria respostas pra entender estas minhas loucuras.
  Hoje, antes de vir para o trabalho, meu irmão caçula me perguntou “mano, quer ver o que eu fiz na escola ‘do’ dia dos pais?”, “quero, sim”, respondi. Logo me trouxe ele uma caixa e foi me passando três folhinhas, a primeira um “diploma” de melhor pais do mundo, a segunda um desenho de um pai e seu filho, e o terceiro, o que ele mais gostou, um cartãozinho em formato de carro e dentro escrito, com a grafia dele próprio, no auge da segunda série, “Eu Te Amo Pai”, e seu nome abaixo. Elogiei os trabalhos dele, com os olhos mareados (acho que estou ficando velho e motivo demais). Ao escrever agora este parágrafo me dei conta de que esta deve ser a primeira vez que escrevo estas quatro palavras juntas, “eu te amo pai”. Mesmo “pai”, nunca foi uma palavra que usei muito.
  Nos últimos meses tenho procurado me “aproximar” de meu progenitor, não tem sido muito fácil pra mim, acho que pra ele também é estranho. Com uns 16 anos fiz uma música pra ele, em um trecho final escrevi “sei que pra sempre vamos nos arrepender de termos perdido tanto tempo quando não tínhamos tempo algum a perder”. Nunca a mostrei a ninguém.

Melhor parar por aqui.

Pra finalizar, só quero desejar um feliz dia dos pais, ao melhor pai do mundo, minha mãe. TE AMO “Pãe”, obrigado por tudo "Maria", sempre.

Marcelo Rutshell.



P.S.: desconsiderem qualquer erro gramático e ordem racional, foi escrito sem antes "editar o pensamento".

(escrito em 09/08/2014)

E a primeira vez é a sempre a última chance...

  Estava lembrando hoje da mais antiga recordação que guardo de sentar à mesa para uma refeição com meu pai. E a memória, como poucas vezes, me pareceu tão clara, como se fosse ontem. Talvez por que, de fato, foi, literalmente, ontem (08 de março de 2014). 
  Uma coisa tão corriqueira para a maioria mas que eu tive que esperar quase 28 anos para tal evento.
  Vou aproveitar a lembrança ainda vívida e registrar, para que eu mesmo não esqueça... sabe-se lá quando isso vai (se é que vai) acontecer de novo.

(resumindo) Tinha combinado de ir , pela primeira vez desde que eu tinha uns 11, 14 anos, à casa de meu pai (que estranho usar esta palavra) para acertarmos um outro assunto que, no momento, é irrelevante para o entendimento deste registro. Fui até lá em meu horário de almoço no trabalho, conforme havíamos combinado. Era pra ser coisa rápida, não mais que 15 minutos, calculei.
  Eis que, para minha surpresa, meu pai me convidou para ficar e almoçar com ele e sua atual esposa. Bem que tentei me desvincilhiar, educadamente, do convite mas, não sei bem por quê, diante de uma breve insistência, acabei aceitando.
  O almoço, porém, ainda levaria alguns minutos para ficar pronto e ser servido. Meu pai então me convidou a sentarmos na área, enquanto esperávamos. Puxei uma cadeira, ele sentou-se ao lado noutra.

N.A.: vale aqui salientar que nunca tive com ele uma conversa, não por mais de 10, 15 minutos, em todos estes quase 28 anos meus.

  Depois de um breve e até desconfortante silêncio de ambos, trocamos algumas palavras, sobre algo que não lembro. Sim, eu estava nervoso. Queria não dizer nenhuma besteira, para que, naquelas poucas palavras trocadas, conseguisse, de alguma forma, trasnpassar a ele o pouco da cultura que acumulei, a educação que minha mãe me transmitiu sem qualquer ajuda dele e também os milhares de sonhos que carrego em mim. Acho até que gaguejei algumas vezes, tamanho nervosismo. Mas sei que não é possível transmitir, apresentar, a essência total de um ser humano, aos 27 anos de idade, a praticamente um estranho, em aproximadamente uma hora de conversação, mesmo sendo este estranho seu progenitor.
  Em determinado momento, algo me chamou atenção: um dos dois cães da casa, veio sentar-se aos pés de meu pai, que fez um afago na cabeça do velho cão. Uma reflexão se fez em minha mente e martelou meus pensamentos.
  Fomos, enfim, informados que o almoço já estava pronto e nos dirigimos à cozinha, acabando com aquela conversa sem um assunto em comum entre os interlocutores, que me pareceu durar uma eternidade, por não saber bem o que dizer. Por fim almoçamos.
  Deixo aqui registrado, para que minha memória não me seja traidora, como já me foi outras tantas vezes, a primeira refeição (de que consigo me lembrar) ao lado de meu pai... e também, e talvez principalmente, o exato momento em que percebi que naquele afago, mesmo que tenha sido o único na vida daquele cão, ele, o cão, recebeu de meu pai mais carinho que eu já recebi dele em toda minha vida.

(escrito em 09/03/2014)


Marcelo Rutshell.

sábado, 2 de junho de 2012

Happy Birthday Grunge



Amanhã é meu aniversário (grande coisa)... gostaria de pedir, encarecidamente, que não me dêem "parabéns". Neste ano não promovi a paz no mundo, não acabei com a fome, não descobri a cura de algum câncer ou da AIDS... então, parabéns pelo o quê?
Também não acertei na escolha da estrada pela qual venho caminhando, não me tornei essencial na existência de ninguém, não disse coisas boas às pessoas que me fizeram bem, nem às disse o quanto elas me fazem bem e lhes sou grato por isso... nem afastei-me de vez daquelas que me fazem mal (como "mal" entenda-se "que não me acrescentam em nada").
Nem sequer foi minha escolha permanecer vivo. Simplesmente estou. É mais fácil que a segunda opção.
Sim, eu sei, estou reclamando de "barriga cheia", também (ou principalmente) por isso não mereço receber de meus verdadeiros amigos os tais "parabéns".
Afinal eu não fiz nada que me dê méritos de ser parabenizado, nem mesmo a escolha de estar aqui ainda. E pior que isso, estando aqui nem se quer tenho corrido de verdade atrás das coisas que almejo, sonho, acredito.
Parabéns pelo o quê?
Por mais um ano de vida? Eu ao menos não vejo desta forma, percebo como um ano a menos que ainda me resta pra viver. "Pessimista", muitos dirão... não, não, apenas "realista".
Mas, se por acaso, algum de meus amigos não lerem isso (que é o mais provável) ou lerem e, ainda assim, vierem me parabenizar, saberei dizer "obrigado" (sincero, ainda que contrariado).

"não vejo no tempo o remédio
que cura todas as feridas.
O tempo é o veneno
que nos mata e consome a vida"
(Marcelo Rutshell)

terça-feira, 10 de abril de 2012

Um Sorriso e Meio



Hoje foi um dia estranho e a noite também está sendo.
Não há mais sorriso em meu rosto, nem inteiro, nem meio.
Não há sorrisos nem lágrimas, não há estrelas ou chuva.
não há completo sofrimento nem integral contentamento.

Há, sim, muitos planos e vontades, mas, ao mesmo tempo e em contrapartida,
há lembranças que melhor seria se elas todas fossem
esquecidas.

E elas são elos.
E eles, os elos,
se encaixam, se completam,
formando correntes distintas,
uma em cada braço
elas me prendem ainda,
não só ao meu mas, há muitos outros passados.

Ah, o passado... anseio um dia poder voltar a um tempo em que tudo estava em seu lugar,
sei que nada nunca esteve, mas olhando para o passado fica bem mais fácil fingir acreditar.

E é nisso que acredito, ou finjo...
Sim, eu sei, eu apenas finjo.
Mas não tenho certeza, minha memória é traiçoeira
e engana a mim enganando a si mesma.

Bem, onde eu estava? Ah, sim, no passado, no “ontem”.
Então, voltemos ao ontem.
Me pego rindo sozinho ao compreender que voltar não é possível...
Quem dera fosse.

Eu vejo o hoje
como sendo o maior de todos os mártires:
todos os dias ele morre
pela causa de um novo dia que nasce.

Mas, e quando o hoje terminar?
oras, o hoje será ontem, e o amanhã de ontem será hoje... e, a este novo hoje, atribuiremos também um novo amanhã...

mas tenha cuidado,
não se iluda,
este amanhã é como todos os outros:
não chegará nunca.

O amanhã é apenas mais um artifício criado por (e para) aqueles que precisam de (falsas) esperanças.
A esperança, para quem crê, é uma dádiva,
dádiva é (de “Deus”) um presente
mas sabemos que o amanhã é futuro,
então o que temos é o hoje e o hoje somente.

(Ah! Chega!!! -eu digo isto à mim mesmo:
Que confusão...
eu devo esquecer de tentar entender,
mas você não...

...não esqueça que hoje,
bem, hoje foi um dia atípico
com chuva de estrelas
e uma lágrima sorrindo...

...e, ainda como sempre,
hoje pode ser um dia perfeito
basta colocar um sorriso no rosto (de alguém, no seu, no meu),
não meio, mas inteiro.


Marcelo Rutshell - fevereiro 2012


I can always make you smile






sexta-feira, 18 de junho de 2010

Não Há Flores No Céu...



Têm dias em que a tristeza vem me visitar. Nesses dias ela me parece ser tão íntima...
Estar tão à vontade, tão... tão sem pressa de ir embora.

Hoje ela entrou e fechou a porta.
Somos somente nós dois agora...

Ela me trouxe algumas coisas, disse-me que eram apenas alguns presentes.
Mas o que me trouxe, na verdade, era o passado... o meu passado.
Coisas que eu nem lembrava mais, coisas que eu nem gostaria de lembrar.
Não muito confortável pedi à ela que fosse embora, dizendo-lhe que eu precisava ficar um pouco sozinho...

Ela disse que entendia mas não podia me deixar sozinho naquelas condições e,
mostrando-me uma fotografia, me fez lembrar que “amigos não deixam amigos”. Até parece, como se ela fosse realmente minha amiga.

Senti um aperto no peito... precisava de algo, de alguém...

A tristeza aproximou-se e, após um abraço, me beijou. Um gosto amargo, salgado.
Ela agora chorava, falsamente, claro, um pranto tão falso quanto seu sorriso vinha sendo há muito tempo...
A tristeza tinha agora outros nomes, outros rostos...
E o salgado de suas lágrimas amarelou em ferrugem o seu sorriso.

Senti agora um vazio no peito...

E foi minha vez de fazer chover em meu rosto... uma tempestade de sentimentos que sequer lembrava, de lembranças que ainda doíam, de dores que eu não quero nunca mais sentir... mas sei que vou, pois nunca... nunca é muito tempo...e a impressão que tenho é que mesmo muito tempo... nunca vai ser o bastante.

["TOC-TOC"]>> alguém bateu na porta << penso comigo mesmo: "quem será?"

Ao me ver chorando a tristeza decidiu que era hora de ir, com um ar de "dever cumprido" no semblante levantou-se e, dirigindo-se à porta de saída, disse-me que “já se ia”.

Abriu a porta, era a solidão quem batia.
A tristeza saiu...
a solidão entrou...

E me parecia tão íntima, tão à vontade... tão... tão sem pressa de ir embora.


A solidão entrou, fechou a porta e ficou, e aqui está... desde a hora em que eu escrevo até o momento em que você lê.

E, acredite, já não somos mais apenas nós dois.

Marcelo Rutshell.

domingo, 5 de abril de 2009

5 de Abril - Grunge is Dead


5 de Abril de 1994 - Last Days



Há muito perturbado, confuso, com medo, pressionado pelo simples peso do mundo em suas costas. Com uma postura ainda mais indiferente que a de costume, ainda sensível, mas já não parecendo mais dar atenção aos que não lhe deram atenção.
Na verdade, já há muito mais tempo vêm sendo assim, mas nos últimos dias o peso parece tê-lo afetado ainda mais, de uma forma irreversível. Um processo que começou desde a infância, quando sentiu-se culpado pela separação da, então, aliança mais importante do mundo, aquela que lhe garantia a paz e o sorriso franco. Após isso, apenas sorrisos alienados.
Isolando-se em si mesmo, tentando fugir do interesse alheio, procurando um abrigo, mas por tão frágil não pôde perceber de onde realmente vinha o perigo. Algo dentro de si mesmo. Demônios que possuem siluetas muito familiares, quase um reflexo no espelho da alma.
Um ponto final ensurdecedor. E um novo parágrafo para o mistério, a incompreensão, a incredulidade, e o porta voz, poeta,quase um messias de toda uma geração (e de outras que vieram a seguir da sua), aquele que parecia ser algo realmente diferente em meio a tanta mesmice, enfim, mostra ser um simples mortal, com uma empatia aguçada, capaz de sentir como se fosse sua as dores alheias. Aqueles gritos continuam sendo audíveis, mas, em 5 de abril, a dor acabou. Descanse em paz.

__________________________________________________________





5 de abril de 2002 – “We Die Young”



“Pai, onde você esteve? Bem, não importa. Que bom que você está bem, eu também vou ficar. Por que não voltou antes? De quanto você precisa? E você sabe do que eu preciso? sabe do quanto precisei disso? Não, você não sabe. Me passe o meu alívio, e deixe como está.”

Sua família foi bandonada pelo pai - viciado em heroína - quando ele tinha apenas oito anos. Ainda adolescente, firmou uma obsessão pela música, a fim de se tornar celebridade e atrair as atenções do pai sumido.

Aos 16, procurou pelo pai - ainda escondido da mãe. Se decepcionou com o que viu e com a idéia do reencontro.

Se manteve vivo pela música. Via naquilo a única motivação para amenizar seus traumas. Conseguiu enxergar uma sobrevida além do problema, até que o pai o viu em uma capa de revista. Segundo ele próprio, o pai dizia estar longe das drogas há seis anos. "Então, porque diabos ele não voltou antes? Fiquei muito cauteloso no começo. Então, o relacionamento mudou. Meu pai começou a usar drogas outra vez. Nós dois tomávamos juntos e me encontrei em uma situação miserável. Ele começou a me visitar todos os dias para chapar e tomar drogas comigo. Eu estava tentado chutar esse hábito para fora da minha vida e lá vinha aquele homem me pedindo dinheiro para comprar mais. Ele finalmente se livrou do vício em heroína e eu ainda estou lutando."

Caíra em depressão profunda após a morte de sua namorada Demri Parrot, vítima de endocardite bacteriana,doença causada pelo uso de drogas. Após isso, seus problemas com as drogas só pioraram.

__________________________________________________________


Em 5 de abril de 1994, o canto berrado, o grito, se cala. Kurt Cobain fora encontrado morto, em um cômodo externo da casa onde se reclusara em seus últimos dias. Com um tiro na cabeça. Pela quantidade de heroína que havia aplicado naquele dia, possivelmente, não conseguiria sequer puxar o gatilho.
(...)
No dia 20 de abril de 2002, Layne Thomas Staley acabara sendo encontrado sem vida em seu condomínio, vítima de uma overdose letal de heroína combinada com cocaína (droga conhecida como "speedball") no dia 20 de Abril de 2002, seu corpo já entrando em estado de decomposição. O dia da sua morte foi dado como 5 de abril pela perícia, data que coincide com a morte, ainda não esclarecida, de Kut Donald Cobain.

Grunge is - NOT - Dead.


(Marcelo Rutshell).

sábado, 24 de janeiro de 2009

About Me.




Já tentei me descrever inúmeras vezes, prova disso são os, proporcionais, inúmeros rascunhos que tenho espalhado pelo meu quarto. Tá ai uma coisa sobre mim: gosto muito de escrever, alguns dizem que escrevo bem, outros dizem que escrevo o que sentem e gostariam de terem escrito. Eu fico contente e satisfeito em ouvir isto, mas acho que apenas escrevo.
Para alguns escrever em folhas, é hoje coisa demodê, ultra-passada. Mas eu ainda prefiro escrever em folhas de papél (e não como estou fazendo agora, escrevendo nesta “folha” virtual).

Gosto de conversar, gosto dos meus velhos amigos e também de fazer novas amizades.
Têm muitas coisas que discordo e não gosto mesmo, mas procuro não ter preconceito com nada, nem sempre consigo, mas tento.

Quando estou sozinho geralmente fico pensativo, por muito tempo gostei da solidão, hoje prefiro sempre estar com as pessoas que gosto, todo tempo que puder.
Sou introspectivamente extrovertido (?). Teve um tempo que eu era muito tímido, em partes superei isso, mas fico sem graça facilmente.

Sou pensante. Gosto de pensar, de pensar que penso e penso acreditar.
Não exija que me recorde de algo, minha cabeça é um caos, uma desordem em constante crescimento e, na maioria das vezes, esqueço de quase tudo. Só por que eu não lembro não quer dizer que não tenha sido importante pra mim, mas se por acaso eu lembrar, é porque realmente marcou (o que não quer necessariamente dizer que tenha sido bom).

Além de escrever, gosto de ler, desenhar, de música, de filmes (principalmente os de terror, comédia, dramas). Gosto das artes em geral (só não espere me ver dançando e, caso tenha me visto dançando no meio da rua, não espere ver tal cena bizarra novamente).

Sou carinhoso, amigo, leal, bom ouvinte de desabafos, conselheiro, um dos últimos românticos, criativo, saudosista. Sinto saudade de tudo: de tudo e todos que ficaram no passado, de coisas que se quer vi e/ou presenciei.

Alguns dizem que sou pessimista, eu não acho. Costumo dizer que sou realista, o que é totalmente diferente. Conto também com uma “leve” tendência depressiva. Um cara empático. Enfim, são estas algumas qualidades/defeitos deste simples geminiano com libra em seu ascendente. E por falar nisso, gosto do céu à noite: todo àquele manto negro, com um tom de profundidade infinita, intocável, inalcançável, pontilhado espaçadamente com estrelas postas em lugares exatos e não por acaso.
Gosto também dos números, busco combinações em placas de carros, números de casas, telefones... é um T.O.C., eu sei. Falando em números, meu inimigo número 1 é o tempo. Vivo numa briga constante com o tempo. Me incomoda saber que, nesta vida, não terei tempo o bastante para fazer tudo o que quero e (acredito) tenho que fazer, quem sabe se outras vidas existirem eu consiga cumprir a tal missão?!?!... é, quem Sabe?! O pior é saber (e ter que me conformar) que esta é uma luta à qual, não importa o que eu faça, sei que nunca irei vencer.
Meus únicos aliados nesta luta são as lembranças e fotografias (aliás, pra mim, uma das mais importantes invenções do homem, ao lado da escrita).

Dentre as coisas que aprendi sozinho, uma delas foi que a cada segundo que se passa, é um à menos que temos pra viver.
Enquanto isso, o que nos resta mesmo é continuar a viver, fazer amigos e cultivar boas lembranças, pois só as lembranças são pra sempre... como nas fotografias.

Para aqueles que se deram ao trabalho de ler, dou a certeza do saber que parte disso tudo sou eu, e há ainda tantas outras que não sei ainda dissertar. E que agora já podem pensar que sabem algo sobre mim.

________________________


"não sei porquê ainda tento
e sem saber sigo tentando.
um corte fundo em meu peito
talvez não me fizesse sangrar tanto"
(Marcelo Rutshell)
________________________


Marcelo Rutshell.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

      Lembranças Fragmentadas
      de Uma Noite Inesquecível


___________________________________________________

___________________________________________________
"Nada é pra sempre, infelizmente. Todos sabem disso, quem não sabe um dia aprende. É só questão de tempo, estes que encistem inutilmente em viver uma fábula onde o 'Pra Sempre' ainda existe, aprenderão da pior maneira que alguém pode aprender algo tão difícil e doloroso: pela própria experiência."
(Marcelo Rutshell)
___________________________________________________



"Feche os olhos. Agora imagine alguém, imagine que os problemas se foram pra longe, não existem mais. Todos ríem, divertem-se. Toques, carinhos, trocas de olhares, sorrisos. E tudo não passa de intenção."



"Certa noite perdi o sono por conta de alguém que, naquele instante, me fez esquecer dos problemas, eles deixaram de existir. Ríamos, trocamos carícias e olhares... E tudo deixou de ser apenas intenção."




É noite, talvez devessemos estar dormindo. Mas pra quê? acho tão melhor sonhar acordado. E você, o que acha disso?
...as coisas aconteceram naturalmente, como devem mesmo acontecer. Como uma peça ensaiada, cada movimento, cada palavra.


______________________________________________________________________________________________________



Eu, que julgava já ter passado por tudo isso, imaginava ter já aprendido que nada é "pra sempre", e por experiência própria. Tinha, inclusive, dito à mim mesmo que não retornaria mais à estes lugares de faz-de-conta que eu habitava em minha própria cabeça. Mas me sinto sendo arrastado novamente à este velho mundo de fábulas, onde o "Pra Sempre" ainda existe.


______________________________________________________________________________________________________


Na madrugada de uma certa sexta-feira, daquelas que a gente pede ao tempo que passe devagar, uma menina me disse: "pena que nada dura pra sempre."
Me dei conta de que eu também tinha este pensamento. Mas não satisfeito com ele parei pra pensar tentando encontrar alguma coisa que pudesse sim ser 'pra sempre'.
Acabei encontrando esta: as LEMBRANÇAS...
Só as lembranças são 'pra sempre', e é tão simples, estão bem ao nosso alcance, estão dentro de cada um de nós.

Cabe agora, à nós, fazermos com que tenhamos boas lembranças para recordar.


E enquanto LEMBRARMO-NOS o quanto foi bom termos nos conhecido, o "PRA SEMPRE" ainda existirá, mesmo que apenas dentro de cada um de nós dois...



(Marcelo Rutshell)
___________________________________________________

domingo, 17 de agosto de 2008

A Felicidade Não Cabe em Um 3x4


Hoje choveu o dia todo,
foi mais um daqueles dias
onde a alegria
parece estar muito ocupada
com os outros.

É...
Chove lá fora, o dia inteiro,
chove lá fora, já faz tanto tempo,
um dia todo, fora, eu já nem lamento.
Chove lá fora e também aqui dentro.

Dentro: é um lugar
tão fácil de entrar.
Dentro: é um altar
onde você já não está.

Vejo aquela nuvem cinza,
reconheço nela alguma coisa de mim mesmo,
talvez seja a cor ou as lágrimas, não sei,
já não me reconheço.
É, vai ver seja mesmo a cor,
mas realmente não consigo perceber.
Talvez assim seja melhor,
sei que não vou gostar do que vou ver.

Força (...),
palavra otimista.
Mais ou menos força
difere o que é vento e o que é brisa.

O que você seria?
vento?
furacão?
brisa?
não sei ainda o que sou
e, acredite,
se você fosse eu,
também não saberia.

Mais um quarto de hora
se passou sem alterar
qualquer coisa
que me fizesse notar.

Tudo isso é besteira, eu sei,
mas não seria se alguém tivesse notado
que eu só errei por atenção
e que este nunca foi o meu maior pecado.

Crucifiquei o santo errado
e a cruz apodreceu.
Mas, afinal, foi Deus que inventou o homem?
ou o homem que inventou Deus?

A fé distrai nossas fraquezas
e costuma ser traidora,
é quase certo a decepção
quando se confia de mais em alguma coisa.

Hoje tenho um coração aprisionado,
pequeno, em um formato 3x4.
A felicidade só cresce em corações profundos,
que pena, o meu coração sempre foi tão raso.

Tudo isso é tão complexo e simples
mas ninguém entende sobre o que eu falo.
Tudo bem, não se incomode comigo,
este é só mais um (inquieto) desabafo.


(...)


Tinha ainda tanto pra dizer,
mas tudo bem,
deixa pra lá.

Asas molhadas
sempre se tornam
pesadas demais para voar.


(Marcelo Rutshell)

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Pra Te Convencer


Por mais que eu diga aos quatro ventos que, em minhas atitudes, pouco me importo com o que vão pensar de mim. Por mais que eu próprio tente e finja acreditar nisso, acabo sempre por perceber, num instante de silêncio e distração, que na verdade eu dedico mais importância a esta opinião do que gostaria e, talvez até, do que deveria.
Estou o tempo todo esperando sua aprovação, seu reconhecimento e nem mesmo sei por que, já que quase nunca o tenho.
São palavras, frases, versos e atitudes. Desconfiança, descrença e indagação.

É como batalhar tanto para obter algo, que não se sabe o que fazer com este quando o conquista, é como querer o tempo todo chegar a um determinado lugar, só pra depois dizer que não quer estar lá.
Em toda e qualquer situação é assim que ajo, talvez seja assim que a maioria aja, muitas vezes é provável que sequer percebamos esta forma tola de agir.

A humanidade é e será perpetuamente insatisfeita.

Se está chovendo, reclama não poder sair, se faz sol, reclama por ter de sair com tanto calor, se faz frio, diz que é mais agradável ficar em casa, se fica em casa reclama não ter nada pra fazer.
Se está sozinho quer estar acompanhado, se está acompanhado, prefere ficar sozinho.
Se namora, sente falta de estar solteiro (a), quando solteiro (a), quer tanto namorar.
É claro que isso não se aplica a todos os seres humanos, alguns conseguem mentir pra si mesmo e tentam, o tempo todo, convencer aos demais que não se comportam dessa forma. Mas se esquecem que “mentir pra si mesmo” ainda é “a pior mentira”.

“Posso estar triste quase o tempo todo, mas é QUASE e NÃO todo. Não vejo problema em chover de vez enquando, então, se ainda hoje o sol decidir não aparecer, deixe-me aproveitar mais um dia de chuva.”

(Marcelo Rutshell)

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Só (,) mais um dia só...


Uma pergunta que sempre nos fazem: “você já se arrependeu de algo que fez?” sempre quando me perguntavam isso eu respondia sem pensar: “não, só me arrependo do q não faço”, tolice. Hoje tenho certeza de que respondia mesmo sem pensar.
Há muita coisa que fiz das quais me arrependo amargamente, há muitas coisas que ainda faço e das quais me arrependerei futuramente e, e, certamente, haverão tantas outras.
São palavras ditas, que jamais deveriam serem pronunciadas (ao menos não “naquele” momento ou para “aquela” pessoa), são atitudes impensadas, desnecessárias, ações praticadas no calor do momento.
O resultado disso: Arrependimento.
A pena para este “delito”: não há como voltar o tempo e desdizer ou desfazer o que foi dito e/ou feito, é sempre possível se retratar, corrigir o erro, mas desfazer o que está feito, isso não há como. Infelizmente.
Passo muito tempo pensando no passado, não no meu, o que é ainda pior. Imaginando coisas que geralmente são reais, e essa realidade imaginária me corrói de tal forma que não conseguiria transcrevê-la em palavras. E está me fazendo em pedaços, cada vez menores, cada vez mais dolorosos, nem que eu cheirasse tubos e mais tubos de cola, assim mesmo não conseguiria colar internamente os meus pedaços.
Parece-me tão mais simples para os demais, não que eu seja tão ingênuo a ponto de enganar a mim mesmo ao acreditar que eles (os outros) não têm problemas, não é isso, só que eles (todos àqueles aos quais tenho observado) parecem lhe dar de uma forma mais confortável com seus problemas. Não sei por que eu me torturo tanto, não sou assim tão diferente de ninguém, assim como vocês (quem quer que seja(m) “vocês”), eu só quero, ao menos, tentar ser feliz, ninguém é feliz na dor (ainda que para alguns possa ser fonte de prazer momentâneo), ninguém é feliz sozinho (por mais que eu diga isso – que eu posso ser feliz sozinho -, não acredite em mim quando eu o disser). Preciso tanto de alguém, e quem é q não precisa?! Me perco em mim mesmo, e eu, agora, já não procuro me encontrar.

Sou tão estupidamente egoísta quanto qualquer um, eu quero ser feliz, EU.
Sou tão pretensioso, arrogante, errante. Por isso, lhes peço, sempre, desculpem-me.

Melhor andar com um amigo no escuro, do que andar sozinho na luz.”

Não tente me entender, eu mesmo não tentaria
é complicado para mim, então imagino pra você como seria.”
(Marcelo Rutshell – Glória Insana)

Marcelo Rutshell

domingo, 9 de março de 2008

Ciclos - Lua Mingüante


Ciclos... é assim que eu ao menos percebo a vida, não vou aqui dissertar sobre ela, pois ainda não aprendi o suficiente para ensinar. Nem se quer tenho mesmo certeza que assim acontece com todos, esse lance de ciclos.
Dizem que há cada 2 décadas a moda, a música, enfim, tende a revolucionar (não entndo nada de moda, mas ao menos na música, nossa geração anda atrasada, pois já deveria ter surgido a tal "nova tendência" de que falam e nada de novo vi/ouvi ainda), mas o que eu vejo na verdade são repetições do passado, as mesmas coisas, apenas vistas por olhos novos e desconhecedores do qeu passou. Bem como disse Cazuza em uma de suas músicas: "...eu vejo o futuro repetir o passado, eu vejo um museu de grandes novidades, o tempo não pára...", é, o tmpo não pára, infelizmente.
Ciclos, a lua, os mares, ..., a vida. Desde cedo aprendemos na escola: nasce/cresce/reproduz/envelhece/morre. Eis o magnifico ciclo ao qual estamos destinados.
Um ciclo fechado, 360º, anda, gira, passa, percorre, e retorna sempre, sempre para o ponto onde teve ínicio, não da mesma forma, mas com o mesmo sentido.
É isso q eu sinto, tanta coisa tão diferente e ao mesmo tempo tão parecido.
E agora começa tudo de novo, até a próxima hora de acabar, e recomeçar tudo de novo.

Olho ao redor e vejo os outros:
Estão todos sorrindo, parecem estarem bem.
Porquê eu não consigo ser assim?
Talvez seja tudo mentira, estão apenas fingindo.
Queria ao menos uma vez
poder também fingir.

Queria ter alguém com quem pudesse conversar,
eu só queria ter alguém
que me perguntasse como a vida está
que me dissesse que vai ficar tudo bem.


Ultimamente tenho conversado com os anjos, não é sentido figurado ou força de expressão, realmente há anjos em minha vida, e os agradeço por estarem nela, agradeço à estes anjos por pensarem em mim, por me colocarem em suas orações... agradeço pelo esforço que eles têem feito tentando me ensinar a voar... eu lamento desapontá-los, mas à cada dia perco uma pena da mesma asa, e minhas asas desparelhas não encontram uma maneira de conseguir voar, sou anjo torto, arrogante, pedante e prepotente.
Mas agradeço à todos os anjos de minha vida, por perderem tanto tempo pensando e acreditando em mim. Desculpem-me àqueles que acabo sempre por desapontar.

Certa noite embriagada, olhei a lua minguante e a vi em dobro, disse a um anjo: "Me parecem serem 2 olhos tristes, estão tristes por algo que fiz de errado"
eis o q o anjo me respondeu: "não são dois olhos tristes, a lua é apenas uma, transpondo um sorriso alegre por você existir."

E acabo de perder mais uma pena da mesma asa errada. Mas creio que um dia voaremos sobre os demais. Mais um ciclo chega ao fim, para que possa iniciar um novo ciclo. Ciclos exigem sacrificios. Meus sacrificios.

(Marcelo Rutshell)



"Toda Mentira É Verdade, Até Que A Farsa Seja Descoberta E Revelada.
Não Sinto Nada, Sou Apenas Uma Pedra: Esculpida e Moldada."
(Marcelo Rutshell)

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Por Trás de Cada Sorriso, Eu Sempre Escondo Uma Lágrima (Marcelo Rutshell)




"Se Meu Sorriso Mostrasse O Fundo de Minha Alma, Muitas Pessoas, Ao Me Verem Sorrindo, Chorariam Comigo."
(Kurt Donald Cobain)

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Me empreste um pouco de Você

Faz muito tempo desde a última postagem, quando escrevo isso falo a mim msmo... este blog nunca foi divulgado até o momento, não criei-o para isso... Tanto tempo já passou, nem tanto assim... muita coisa aconteceu, mas ao certo nada mudou tanto assim a ponto de causar alguma estranheza. Posso ver novos rostos e, com algum esforço, revejo também faces antigas. Ainda estou longe de ter o que quero, mais longe ainda de saber o que realmente quero. Sei do que preciso, e só.
Reclamo muito de tudo o tempo todo, não sei porquê. Queria saber se é normal agir assim. Já não sou mais tão criança, mas jovem de mais pra ter alguma certeza.
Tenho planos e metas, e infinitas dúvidas.
Tenho me divertido ultimamente, até sorrir tenho conseguido, mas me parece que vai começar tudo de novo.
É estranho percorrer um caminho desconhecido, por mais florido que seja o acostamento ainda há pedras na estrada, e uma porção de curvas que não me permitem ver o horizonte.
O tempo todo preciso de um ombro pra me apoiar, mas nem sempre encontro algum.
Preciso de uma mão, de um abraço, de um afago, de um ouvido, de alguém, alguém que possa me emprestar tudo isso. É, isso mesmo, me emprestar, basta alguém que me possa emprestar, não quero que me dêem nada, mas se puder me empreste, prometo devolver tudo o que me for emprestado, prometo cuidar como a coisa mais valiosa do mundo, por que assim é. Sei que nada é pra sempre, aprendi isso por experiência própria, todo mundo aprende.
Ainda há muito para conhecer, aprender, temer... mas não espero nunca me arrepender, não por ter feito, talvez por não tê-lo feito, talvez...

Meu sorriso vem brando, o mais largo que consigo disfarçar, pra que possa esconder atrás dele, as lágrimas que ainda hoje regam as flores mortas dos jardins internos da minha alma.
Minhas asas estão cansadas, mas estou sem tempo pra descançar...
Não esqueça do que preciso, e se puder, me empreste...
Acaricie, agora e sempre, minhas asas.

Marcelo Rutshell

domingo, 4 de novembro de 2007

"Minha dor é de natureza própria" (Layne Staley)


Estamos constantemente passando por metamorfoses, e nos últimos 30 dias pelo menos estou passando por mais uma... entre a cruz e a espada, uma única direção... mas qual caminho seria o mais confiável a seguir?
É difícil de saber. Quando estamos próximos de mais acabamos perdendo o foco.
Queria poder entranhar a mão por minha boca e levá-la até meu peito, e de lá tirar certas coisas q nunca me fizeram bem... pai, amores, falsos amigos, lembranças torturosas... quase todo um passado que não gosto de relembrar... pena que esquecer não é tão fácil quanto é amar...
Ao menos estou alegre, mas essa alegria também me encomoda um pouco... sei que não é assim tão fácil de entender, se eu pudesse citar nomes, ainda que fictícios e contar a verdade nessa história toda... mas muitos ainda não querem acreditar.
Kurt Cobain não se matou, Layne Staley, sim, ou seria o contrário? Kurt se matou ao confiar no diabo e Layne estaria tentando fugir do que tanto lhe fez bem?
Eu não sei ao certo o que é errado, estou tão longe de estar perto de saber se é ele ou ela quem está errado... enquanto as pedras ficarem imóveis eu as farei companhia, criando limo ao redor de minha indecisão.
Isso tudo parece tão confuso, mas não é se você puder prestar atenção...
Sim, "o rock'n roll romantiza". E isso é apenas e simplesmente um sincero desabafo...
23 anos, se tentar entender pode não entender ainda mais, veja bem, estou falando de você o tempo todo e não d mim mesmo, porquê, afinal de contas, não somos mesmo parecidos.
Ela saberá, e é o realmente importa (mas até quando?): você me trouxe o sorriso, não tire agora ele de mim, obrigado por tudo isso.
Obrigado por me fazer existir.


Marcelo Rutshell.

Fora do casulo


Não há nada aqui que não tenha passado por uma transmutação...
Se não entender, leia de novo, porquê tudo isso é sobre você mesmo o tempo todo.
É menos confuso quando se presta atenção em algo se movendo em fragmentos...
Não procure aqui alívio para suas dores sinta ela sozinho, cansei de me importar mais com você do que comigo mesmo. Queria fazer as coisas diferentes mas não posso voltar atrás e sabemos que é assim que elas devem serem feitas. E ainda que conseguisse voltar, não conseguiria fingir que sou como eles, ou será que sim?
Estou abrindo minhas asas, e voando o mais longe possível de você...


Marcelo Rutshell.